Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
dacs com vida nueva digital | 27 Jul 2022
“A voz alemã na Cúria está cada vez mais silenciosa”, diz o embaixador no Vaticano
Bernhard Kotsch lamenta que a influência da política alemã não seja comparável ao impacto teológico e eclesial do passado.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

A diplomacia do Vaticano está agora focada “na guerra na Ucrânia que está a desempenhar um papel importante neste momento. O Papa ofereceu-se várias vezes para actuar como mediador”. Isto foi relatado por Bernhard Kotsch, o embaixador da República Federal da Alemanha na Santa Sé numa entrevista ao portal katholisch.de.

Além disso, a Alemanha “apoia um projecto de investigação no âmbito da abertura dos arquivos de Pio XII”.

 

A luta contra os abusos

O diplomata também elogia o papel de Hans Zollner na luta contra os abusos. Sublinha que “promove a superação do abuso sexual em todo o mundo através da educação, consciencialização e prevenção”.

“A República Federal tem uma posição muito clara sobre este ponto e apoiamos o trabalho do professor Zollner. O nosso apoio é principalmente político. Promovemo-lo e à sua causa, damos apoio político e deixamos clara a importância do tema na República Federativa”, explicou.

Para ele, “se a Igreja quiser recuperar a confiança, só poderá fazê-lo através de uma clara reavaliação e de todos os esforços possíveis para evitar abusos sexuais no futuro”.

Para Kotsch, a Alemanha “continua a ter uma voz muito importante no Vaticano. O nosso país é visto como um país politicamente e economicamente forte na União Europeia. Claro, muito se espera dele: por exemplo, em relação ao desenvolvimento futuro da UE, a validade do direito internacional ou também questões de resolução pacífica de conflitos. A Santa Sé considera a Alemanha um parceiro importante que partilha com ela muitos objectivos e interesses. Não podemos reclamar que não somos ouvidos ou atendidos aqui”.

No entanto, sublinhou, “a visão da Igreja Católica Alemã é especial. A teologia alemã foi e tem sido muito forte desde há décadas. O Papa Bento XVI era um professor de teologia. Nesse sentido, espera-se sempre uma voz especial da Igreja Católica na Alemanha, mesmo quando se trata de reformas. Martinho Lutero também está sempre presente. Mas essas são questões que a Igreja tem que resolver internamente”.

Diante do Caminho Sinodal reitera que “os representantes da Igreja são os principais responsáveis ​​pelo diálogo activo dentro da Igreja. Mas também tenho a impressão de que a voz alemã na Cúria está cada vez mais silenciosa porque há menos actores”, lamenta.

 

Artigo de Mateo González Alonso, publicado em Vida Nueva Digital a 27 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Vaticano  •  Santa Sé  •  Cúria Romana  •  Alemanha  •  Abusos  •  Bernhard Kotsch
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui