Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix | 19 Set 2022
Como é que se aprende a ser bispo?
Uma formação organizada pelo Vaticano, que termina nesta segunda-feira, 19 de Setembro, reuniu mais de 150 novos bispos em Roma. Embora a “profissão” de bispo esteja particularmente exposta, a preparação para este ministério é paradoxalmente bastante reduzida.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © VATICAN MEDIA/REUTERS

“Eu não esperava isto”; “Vou ouvir os fiéis para entender os problemas da minha diocese”... Estas reacções cautelosas muitas vezes saem da boca dos bispos recém-nomeados pelo Papa. Porque se a formação para ser sacerdote é longa e muito supervisionada, a preparação para esta “profissão” particularmente exposta, especialmente no contexto da crise da Igreja, é pelo menos limitada: o novo bispo rapidamente se vê “imerso no grande banho”, com uma breve preparação.

Como é que se aprende a tornar-se num bispo? Pela teoria, essa preparação inclui uma formação comum de seis dias organizada todos os anos pelo Vaticano.

Sinodalidade, apresentação da Cúria, pontos mais técnicos como “a experiência canónica para a administração de uma diocese”... Após uma primeira sessão no início de Setembro – a primeira em três anos desde a pandemia – que reuniu mais de 150 novos bispos, uma segunda termina na segunda-feira, 19 de Setembro.

Presente em Roma com outros bispos franceses, D. Gérard Le Stang também participou em Janeiro numa sessão de três dias organizada pela Conferência Episcopal Francesa (CEF).

Em termos de prática, por outro lado, cada bispo descobre a “profissão” no terreno.

“Há uma certa solidão no ministério do bispo, que pode surpreender a princípio”, testemunha D. Le Stang, bretão de 59 anos chamado “a território desconhecido” em Amiens, em Picardie, em Março de 2021.

 

Um ministério muito exigente

Para D. Emmanuel Gobilliard, bispo auxiliar de Lyon desde 2016, solicitado pela CEF a formar os seus novos pares em comunicação, não há dúvida de que o ministério do bispo é difícil: é necessário “ser dotado em finanças, em gestão, ser-se um bom pastor, ao mesmo tempo que se é um excelente comunicador!”. No entanto, “não é com a ordenação que o bispo adquire todas as competências necessárias”, sublinha o jovem bispo de Lyon, de 54 anos.

Especialmente porque o bispo está na linha de frente da gestão de crises, principalmente em caso de revelação de abuso sexual cometido por um dos seus padres, temas abordados durante a formação romana.

Além disso, um bispo pode ser um teólogo reconhecido, mas ter apenas noções vagas de economia. No entanto, mesmo aconselhado, “é ele quem decide, por exemplo, se investimos um milhão de euros em tal e tal projecto; o que pode ser um pouco vertiginoso no contexto actual”, testemunha D. Le Stang.

 

Basear-se em experiências anteriores

Finalmente, no governo da sua diocese, o bispo apega-se às suas responsabilidades anteriores. O arcebispo Gérard Le Stang foi notavelmente vice-secretário geral da Conferência dos Bispos de França de 2013 a 2016, anos em que conviveu com o episcopado.

D. Xavier Malle, bispo de Gap e Embrun desde Fevereiro de 2017, diz que tira grande proveito da sua experiência como chefe de gabinete do prefeito de Cognac (Charente) de 1989 a 1994, antes de se tornar padre em 2000.

Sabe ler um orçamento e questões económicas ou relações com autoridades eleitas não o assustam. A gestão dos sacerdotes da sua diocese, por outro lado, foi a sua maior descoberta, uma missão difícil de compreender.

D. Malle tomou assim consciência da importância de estar bem rodeado – “os erros que cometi aconteceram quando decidi sozinho” – e não hesita em pedir conselhos aos bispos da sua província, a começar pelo Arcebispo de Marselha, um “irmão mais velho”.

D. Xavier Malle, de 57 anos, também admite prontamente ter chamado, por um tempo, um coach profissional que acompanha os líderes quando esteve “com dificuldades”.

Vindo da mesma geração, D. Emmanuel Gobilliard diz ter feito vários cursos de formação em gestão ou comunicação.

“Saber acompanhar as pessoas aprende-se”, explica aquele que é vigário geral moderador da diocese de Lyon e, como tal, “um pouco o director de quase 900 pessoas”.

No entanto, um bispo nunca pode estar preparado para todos os imprevistos: pandemia, ou, mais tragicamente, o suicídio de um padre...

“O que me parece essencial”, confidencia o experiente bispo emérito de Évry, D. Michel Dubost, “é conhecer os seus limites e não se levar demasiado a sério para continuar a ser a mesma pessoa sem ser prisioneiro do seu papel”.

Artigo de Arnaud Bevilacqua, publicado a 19 de Setembro no La Croix.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Vaticano  •  Bispos  •  Formação  •  Papa Francisco  •  Ministério
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui