Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com Crux | 22 Set 2022
Insegurança alimentar leva milhões de pessoas a deixarem as suas casas na África Oriental
Em Maio de 2022, a África Oriental contava com 58,2 milhões de pessoas com alimentos insuficientes para consumo, segundo dados oficiais.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © Baz Ratner/Reuters via CNS

De acordo com as Nações Unidas, pelo menos 50 milhões de pessoas na África Oriental irão enfrentar insegurança alimentar aguda este ano.

De acordo com Atsu Andre Agbogan, Director Regional do Serviço Jesuíta para Refugiados (SJR) da África Oriental, as mudanças climáticas e os conflitos estão a impulsionar a crise.

“A seca prolongada e a instabilidade persistente deixam as pessoas a correr o risco de passar fome”, disse ele Crux.

“A insegurança alimentar tem flutuado na região, impulsionada por conflitos, crise económica, baixa produção agrícola, altos preços dos alimentos e acesso restrito a apoio humanitário”, afirmou Atsu.

Em Maio de 2022, a África Oriental contava com 58,2 milhões de pessoas com alimentos insuficientes para consumo, segundo dados oficiais.

A Rede de Sistemas de Alerta Antecipado da Fome da Agência para o Desenvolvimento Internacional dos EUA alertou que dois em cada 10.000 habitantes irão morrer de fome todos os dias na região. Mais de 250.000 pessoas morreram em toda a região durante a fome de 2011-2012, metade delas crianças.

Pelo menos 700.000 Somalis foram forçados a fugir das suas casas como resultado da seca, com a UNICEF a estimar que metade da população do país ou cerca de 7 milhões de pessoas já estão a enfrentar uma grave escassez de alimentos, incluindo 1,5 milhões de crianças com menos de cinco anos. Além disso, 4,5 milhões de Somalis enfrentam grave escassez de água.

No Uganda, este mês as inundações forçaram mais de 65.000 pessoas a deixar as suas casas.

Atsu observou que 80% das pessoas afectadas pelo deslocamento induzido pelo clima são mulheres e crianças.

“Em termos gerais, aproximadamente 560.000 mulheres/crianças estão deslocadas em busca de água, comida e pasto”, afirmou ao Crux.

Mesmo com a escassez de alimentos a atingir a região, o Programa Mundial de Alimentos da ONU suspendeu em Junho a assistência alimentar a 1,7 milhões de pessoas no Sudão do Sul devido a uma crise de financiamento e necessidades crescentes em outras áreas.

“São pessoas que estão a passar por níveis de emergência e crise de insegurança alimentar. Mais de duas em cada três pessoas estão a passar por uma grave crise humanitária e de protecção e precisam de ajuda para sobreviver. Destes, estima-se que 8,3 milhões de pessoas, incluindo deslocados internos (IDPs) e refugiados, irão passar por fome severa durante a época de escassez”, observou Atsu.

“Não é apenas a seca que força o deslocamento, mas o Sudão do Sul também teve a sua pior invasão de gafanhotos do deserto que se espalhou pelo Leste de África. A destruição das colheitas dos pequenos agricultores, juntamente com a escassez de água, deslocou milhões de pessoas – reduzindo substancialmente o crescimento económico dos pequenos agricultores, deixando-os isolados das medidas de resiliência climática”, acrescentou.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, um enxame médio de gafanhotos pode destruir plantações suficientes para alimentar 2.500 pessoas por um ano.

Antsu disse que essas crises dão às pessoas muito pouca escolha a não ser migrar, o que pode levar a viagens perigosas, onde muitos perdem as suas vidas.

“A perda de uma vida humana é sempre uma tragédia. E mais ainda quando é desencadeada pelo sofrimento e pela busca de esperança e de um futuro melhor”, disse. “Todos os homens e mulheres são iguais em dignidade humana, e algumas das situações que os migrantes enfrentam no caminho para um país seguro não são dignas nem humanas”.

Expressou ainda desconforto com a narrativa usual de pessoas a fugirem em busca de “pastagens mais verdes”, preferindo destacar a busca por esperança.

“A esperança impulsiona o mundo; a esperança impulsiona a maioria das acções humanas, e é algo para abraçar e celebrar. Se essa esperança pode ser encontrada na Europa, na África, na América ou em qualquer outro lugar do mundo, isso é algo em que o mundo deve concentrar-se para criar um lugar melhor para todos viverem e fornecer essa esperança, em vez de se concentrar em «pastagens»”, explicou ao Crux.

Explicou que o SJR condena “as condições ultrajantes que muitos migrantes têm que enfrentar quando fogem da guerra e da perseguição. E sonhamos com um mundo em que nenhuma pessoa se veja forçada a deixar o seu país para sobreviver”.

“A visão do SJR é um mundo em que ninguém tenha que sair à força da sua casa, comunidade ou país. E, para conseguir isso, devemos crescer e evoluir como sociedade sem deixar ninguém para trás, como comunidade e a nível global, do país mais pobre ao mais rico”, indicou.

Afirmou que o SJR já estava a liderar o movimento nessa direcção, sublinhando “o serviço aos mais vulneráveis ​​​​da comunidade, garantindo que um foco especial seja colocado nas meninas, ou crianças e adultos com necessidades especiais, entre outros”.

Pediu uma política de portas abertas, porque “as fronteiras são feitas pelo homem, mas a humanidade não”.

“E como filhos e filhas iguais de Deus, todos teremos acesso às mesmas oportunidades e à mesma dignidade humana. Por isso, acreditamos num mundo acolhedor em que as fronteiras não são uma barreira para a dignidade, mas uma porta para novas oportunidades”, concluiu.

Artigo de Ngala Killian Chimtom, publicado no Crux a 21 de Setembro de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
África  •  Fome  •  Seca  •  Insegurança Alimentar  •  Sudão do Sul
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui