Centros de Preparação para o Matrimónio (CPM)

Encontros CPM para 2020. Clique para ver.

Palavra de Vida
Palavra de Vida Novembro 2020. Clique na imagem, por favor, para aceder aos conteúdos.
Informações

Escola de Famílias, 2ª Sessão: 06/12/2020

Arquidiocese

Uma Igreja Sinodal e Samaritana

Programa Pastoral 2020/2023

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Departamento Arquidiocesano para a Pastoral Familiar
Fabio Ciardi | 2 Fev 2016
"Palavra de Vida" de Fevereiro
«Como a mãe consola o seu filho, assim Eu vos consolarei» (Is 66, 13).
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Quem é que nunca viu uma criança chorar e lançar-se nos braços da sua mãe? Seja o que for que tenha acontecido – uma coisa pequena ou grande –, a mãe enxuga as suas lágrimas, cobre-a de carícias e pouco depois a criança volta a sorrir. Basta-lhe sentir a presença e o carinho da mãe. Assim procede Deus connosco, comparando-se a uma mãe.

É com estas palavras que Deus se dirige ao seu povo regressado do exílio da Babilónia. Depois de ter visto destruir as suas casas e o Templo, depois de ter sido deportado para uma terra estrangeira, onde experimentou a desilusão e o sofrimento, o povo regressa à sua pátria e tem de recomeçar a partir das ruínas que a destruição deixou. A tragédia vivida por Israel repete-se agora para muitos povos em guerra, vítimas de atos terroristas ou de exploração desumana. Casas e estradas destruídas, lugares-símbolo da sua identidade arrasados, bens roubados, lugares de culto devassados. Quantas pessoas raptadas, milhões são obrigadas a fugir, milhares encontram a morte nos desertos ou nas rotas do mar. Parece um apocalipse.

Esta Palavra de Vida é um convite para acreditar na ação amorosa de Deus, até naqueles lugares onde não se sente a Sua presença. É um anúncio de esperança. Ele está ao lado de quem sofre perseguição, injustiças, exílio. Está connosco, com a nossa família, com o nosso povo. Ele conhece a nossa dor pessoal e a dor da humanidade inteira. Fez-se um de nós, até morrer na cruz. Por isso, sabe compreender-nos e consolar-nos. Precisamente como uma mãe que pega na criança ao colo e a consola.

É preciso abrir os olhos e o coração para O “ver”. Na medida em que experimentarmos a ternura do Seu amor, conseguiremos transmiti-la a todos os que vivem no sofrimento e na provação, tornar-nos-emos instrumentos de consolação. É isso mesmo que o apóstolo Paulo sugere aos coríntios: «(...) que também nós possamos consolar aqueles que estão em qualquer tribulação, mediante a consolação que nós mesmos recebemos de Deus» (2 Cor 1, 4).


Esta foi também uma experiência íntima, concreta, de Chiara Lubich: «Senhor, dá-me todas as pessoas sós... Senti no meu coração a paixão que invade o teu por todo o abandono em que está imerso o mundo inteiro. Amo cada ser doente e só. Quem consola o seu pranto? Quem chora com ele a sua morte lenta? E quem estreita ao seu próprio coração um coração desesperado? Faz, meu Deus, que eu seja no mundo o sacramento tangível do teu amor: que eu seja os teus braços, que abraçam e consumam em amor toda a soli- dão do mundo» (1).

Fabio Ciardi

Viveremos esta Palavra – escolhida por um grupo ecuménico da Alemanha – junta- mente com muitos irmãos e irmãs de várias Igrejas, para nos deixarmos acompanhar, durante todo o ano, por esta promessa de Deus.

1) De: Chiara Lubich, Meditações, Cidade Nova, Abrigada 2005, p. 22.

PARTILHAR IMPRIMIR
Departamento Arquidiocesano para a Pastoral Familiar
Contactos
Morada

Rua S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

TLM

967398091

Coordenador

Rosa Maria Leite Rios da Cruz e Amândio Gonçalves Araújo da Cruz

Assistente

P.e Miguel Almeida, SJ; Diácono Fernando Luís Barroso Gonçalves (Assistente Adjunto).

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui