Informações


Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Departamento Arquidiocesano para as Missões
CMAB | 17 Dez 2020
Leitura Missionária da Carta Encíclica Fratelli Tutti do Papa Francisco – 2.ª parte
Frei José Dias de Lima OFM, membro do CMAB e ANIMAG
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Ao fazer uma explanação da missão que privilegia o encontro e as pontes, apresentando a Parábola do Bom Samaritano, como modelo desse gesto de ser missão, o Santo Padre coloca, sem rodeios, direta e determinante, como ele mesmo afirma, uma pergunta a cada um de nós, depois de nos convidar a olhar os intervenientes da Parábola: «Com quem te identificas? A qual te assemelhas?». Esta pergunta é determinante para revelar, até que ponto nos sentimos missionários ou não. Para o Santo Padre só há mesmo uma via de saída diante de tanta dor, à vista de tantas feridas, que é ser o bom samaritano, diz o Papa.

Ora, podemos afirmar, a partir da reflexão do Papa Francisco, que só existem dois tipos de pessoas, aquelas que cuidam do sofrimento, ou seja aqueles que se tornam missionários pela ação, e aqueles que passam ao lado, ou seja aqueles que se fecham à missão do amor, que é o maior desafio que nos é lançado nos Santos Evangelhos. E a hora da verdade, a hora da missão, é agora, não espera pelo amanhã, é no aqui imediato da nossa existência, abaixar-se e debruçar-se, dois verbos que implicam movimento em direção ao outro, ao vizinho, ao irmão, para cuidar das suas feridas e levá-lo às costas, numa determinação missionária de anunciar o evangelho através da dinâmica do amor e da opção pelos pobres.  

Mais ainda, à semelhança do bom samaritano, aquele que se propõe caminhar nessa senda missionária, não espera a gratidão, o reconhecimento de quem quer que seja ou um simples obrigado, antes diz, como S. Francisco de Assis «comecemos irmãos, que até aqui nada fizemos». Ou seja, o missionário nunca está satisfeito com o caminho percorrido, continua sedento em fazer mais e mais porque, como diz o Papa, «a dedicação ao serviço será a grande satisfação diante do seu Deus e na própria vida e, consequentemente, um dever» e, por isso, este dever que não espera gratidão, impele à missão «de cuidar cada mulher, cada criança e cada idoso, com a mesma atitude solidária e solícita, a mesma atitude e proximidade do bom samaritano». Trata-se, afinal da capacidade de amar de todo o discípulo missionário, numa dimensão universal capaz de ultrapassar todos os preconceitos, todas as barreiras históricas ou culturais, todos os interesses mesquinhos, («era forasteiro e recolheste-me» Mt 25, 35), identificando-se com o outro sem se importar com o lugar onde nasceu, nem de onde vem, experimentando que os «outros» são a sua carne.

Tudo o que acima foi dito nos conduz à afirmação lógica de que todo o discípulo missionário deve descobrir a dimensão transcendente das palavras de Jesus, na hora de evangelizar pelo amor. E qual é essa missão transcendente? Reconhecer o próprio Cristo em cada irmão abandonado ou excluído, amando cada ser humano com um amor infinito e, desta forma, conferir-lhe uma dignidade infinita, como afirma o Papa. Mais ainda, uma missão transcendente que conduz o discípulo missionário à fonte suprema que é a vida íntima de Deus e nos leva, por sua vez, ao encontro da comunidade de três pessoas, (a Santíssima Trindade) origem e modelo perfeito de toda a vida em comum.

Artigo publicado no Suplemento Igreja Viva de 17 de dezembro de 2020.

PARTILHAR IMPRIMIR
Documentos para Download
Departamento Arquidiocesano para as Missões
Contactos
Morada

Rua de São Domingos, 94b
4710-435 Braga

Coordenador

Sara Poças

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui