Informações


Arquidiocese

Ano Pastoral 2020+2021

"Uma Igreja sinodal e samaritana"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Departamento Arquidiocesano para as Missões
Bernardino Silva | 4 Fev 2021
Missão de Ocua: “reinventar-se” perante a situação de crise
Bernardino Silva, responsável da Missão Amar(es) de visita à Missão de Ocua
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Viajar para conhecer a Missão de Ocua, situada na Província de Cabo Delgado, em Moçambique, foi um momento de Orgulho e de Felicidade. Orgulho, porque se trata da mais recente paróquia da Arquidiocese de Braga, a 552ª e situa-se na diocese de Pemba e Felicidade, porque acompanho desde o começo a Missão de Ocua e, tinha imensa curiosidade em ver, escutar e sentir, por mim, o que já testemunhara a partir dos relatos dos voluntários que tinham vivido naquela região do povo Macua.

A Missão de Ocua encontra-se na região fronteiriça com a província de Nampula. Atualmente, está a gerir e a coordenar a paróquia de Santa Cecília de Ocua a Andreia Araújo, uma voluntária enviada pela Arquidiocese de Braga, juntamente com o sacerdote missionário Jeancy, congolês e o seminarista diocesano Moisés, moçambicano, ambos enviados pelo D. Luiz Fernando Lisboa, bispo de Pemba, a fim de apoiarem a Missão de Ocua uma vez que, infelizmente, o sacerdote Manuel Faria e a voluntária Fátima Castro que têm destino marcado para esta paróquia e realizar a missão de voluntariado, ainda não tiveram autorização para viajar desde Portugal para Moçambique.

Tanto poderia escrever sobre a Missão de Ocua mas, no essencial, o que importa é valorizar o que já foi executado e contribuir, se possível, com projetos sustentáveis para o futuro da missão. Um dos projetos a concretizar-se, é a construção da Escola que irá, assim, revitalizar uma indispensável área para o desenvolvimento, como é a educação. E será, por si só, um motivo de perspetivar o futuro da missão com um indispensável marco para a história da comunidade local. Relativamente à área da saúde, a Missão de Ocua tem um Posto de Saúde, que funciona cinco dias por semana, com um enfermeiro e um ajudante que permite responder às situações imediatas da população. O projeto de Aleitamento, também associado à Missão de Ocua, tem sido fundamental para tratar os problemas da sub-nutrição e no apoio à maternidade. Pastoralmente fiquei muito agradado com a envolvência das crianças e dos jovens, mesmo em tempo de pandemia. Participam ativamente nos ensaios do grupo coral, nas cerimónias religiosas e divertem-se nas atividades lúdicas através de jogos coletivos. Uma alegria contagiante a que vi, senti e que anseio voltar a apreciar.

Mas creio que, neste momento, a Missão de Ocua tem um enorme desafio, que é o de “reinventar-se” perante a situação de crise, e ajudar a criar estruturas dignas de acolhimento a todos os deslocados que estão a chegar à região, porque a situação em Cabo Delgado continua muito delicada, devido aos ataques dos grupos armados. Os deslocados são aos milhares e as aldeias que os acolhem são precárias, assim como as instalações das organizações internacionais no terreno. O território carece de muita ajuda humanitária e de maior atenção internacional, como recentemente denunciou o bispo de Pemba, D. Luiz Fernando Lisboa. Contudo, é impressionante a solidariedade demonstrada pela população local ao nível do acolhimento. Justamente, quem pouco ou nada tem ainda consegue receber aqueles que chegam sem rigorosamente nada, ao fugirem de ataques atrozes e que tudo perderam.

Artigo publicado no Suplemento Igreja Viva de 04 de fevereiro de 2021.

PARTILHAR IMPRIMIR
Documentos para Download
Departamento Arquidiocesano para as Missões
Contactos
Morada

Rua de São Domingos, 94b
4710-435 Braga

Coordenador

Sara Poças

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui