Informações


Arquidiocese

Uma Igreja Sinodal e Samaritana

Programa Pastoral 2020/2023

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Departamento Arquidiocesano para as Missões
CMAB | Braga| 17 Set 2020
“Acredito que este é o tempo certo”
Ainda sem data de partida, Andreia, Fátima e o Pe. Manuel responderam às questões do Igreja Viva sobre a missão para a qual se lançam, o que os fez tomar esta opção e o que esperam encontrar na comunidade de Santa Cecília de Ocua.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DACS | Braga

UMA EQUIPA DE PARTIDA, SEM HESITAR

É a Segunda vez que a Andreia faz parte da equipa missionária Salama!, mas o mesmo não é o caso da Fátima e o Pe. Manuel Faria. Ainda sem data de partida, os três responderam às questões do Igreja Viva sobre a missão para a qual se lançam, o que os fez tomar esta opção e o que esperam encontrar na comunidade de Santa Cecília de Ouca.

[Igreja Viva] O que vos fez ter vontade de partir em missão?

[Andreia Araújo] O querer ir mais além no serviço ao próximo, vivendo realmente a mensagem de Deus.

[Pe. Manuel Faria] Um chamamento para a missão universal da Igreja, uma maior consciência da missão. O ano missionário extraordinário, animado pela força do Espírito Santo, estimulou a conversão missionária de todos os batizados, que foram convocados para saírem em missão, dando novo impulso à responsabilidade missionária de anunciar o Evangelho. Como sacerdote, acolhi com particular atenção a Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa, para o Ano Missionário e o Mês Missionário Extraordinário, com o desafio: “Todos, Tudo e Sempre em Missão”. Foi amadurecendo o convite e o desejo de crescer nesta dimensão da pastoral missionária, acolhendo o convite concreto da nota pastoral referida, que pede para os dias de hoje uma renovação missionária de todos, com o apelo bem explicito: “ao longo deste Ano Missionário, 2018/2019, façamos todos – bispos, padres, diáconos, consagrados e consagradas, adultos, jovens, adolescentes, crianças – a experiência da missão. Sair. Irmos até uma outra paróquia, uma outra diocese, um outro país em missão, para sentirmos que somos chamados por vocação a sermos universais, ou seja, a termos responsabilidade não só sobre a nossa comunidade, mas sobre o mundo inteiro”.

[Fátima Castro] O amor. Parece um lugar-comum, ou uma resposta “pré-fabricada”, mas não há outra que melhor a defina. O que me motiva a partir em missão é o desejo de viver uma humilde experiência de sentir o Evangelho de uma forma mais séria e mais coerente e que, acima de tudo, (me) faça sentido. A essa vontade aliou-se um desejo forte, e extremamente audível, de viver a plenitude do amor a Deus experienciado no amor ao próximo. Quando aceitei que a minha vontade era também a vontade de Deus em mim, percebi que, só assim, podia ser feliz.

[Igreja Viva] Num ano como este, não hesitaram nem uma vez?

[Pe. Manuel Faria] Perante o chamamento do senhor arcebispo, e sabendo da confiança e esperança da equipa missionária, agradeci a ousadia deste desafio, e coloquei a pergunta: “como será isso possível nestes tempos de pandemia e de conflitos nessa região de Moçambique?” A minha disponibilidade pessoal para ser enviado em nome da Igreja diocesana nasceu da oração, que levou a resposta livre e consciente à chamada de Deus para esta missão. Naquela missão de Santa Cecília de Ocua, Moçambique, interpelados pela pobreza, de quem está abandonado a si mesmo, a oração abriu-me o coração às carências de amor, dignidade e acompanhamento pastoral dos nossos irmãos na mesma fé.

[Andreia Araújo] Não. É partir tendo noção da situação atual, e mesmo assim decidir partir.

[Fátima Castro] Pelo contrário. Acredito que este é o tempo certo. É o tempo d’Ele... no meu tempo! Talvez sinta sim, que me seja exigida uma redobrada atenção aos sinais dos tempos e a esta “estranha” dinâmica do mundo que hoje vivemos. Mas isso remete-me para uma maior responsabilidade social e eclesial e, por estas e muitas outras razões, em momento algum hesitei em partir.

[Igreja Viva] O que é que a Fátima fazia antes de agora partir em missão?

[Fátima Castro] Trabalhava num laboratório, na área da prótese dentária, conciliando com alguns projetos pontuais de formação.

[Igreja Viva] Como foi tomar a decisão de partir? E a família, amigos... O que disseram?

[Fátima Castro] “Ama e faz o que quiseres”. Esta famosa, e exigente, frase de Santo Agostinho foi um lema de vida que assumi há muitos anos. Por isso a decisão de partir foi fácil! Difícil foi a partilha dessa mesma decisão com a família, principalmente, porque vão acompanhando pelos meios de comunicação social a atual situação na província de Cabo Delgado. Apesar disso, a família e todos aqueles que me são próximos, sabiam que apenas adiava o inadiável e... aceitaram com muita alegria! Também sabem que as dificuldades e os desafios que vou encontrar, jamais me farão perder o foco e o brilho do olhar porque sabem que, quem parte por amor, só pode receber o bem. Sinto-me tão abençoada por aqueles me rodeiam!

[Andreia Araújo] No meu caso, como já é a segunda vez que irei partir em missão, a minha família já se habituou de certa forma à ideia, pois durante o período que estive em Ocua perceberam que apesar de eu estar longe estava sempre perto, a comunicação era possível e isso facilitou muito a gestão das saudades e da distância. Então quando disse que iria partir em missão novamente lidaram melhor com a notícia, no fundo como se já estivessem à espera.

[Igreja Viva] Existe sempre uma dose de coragem necessária para tomar esta opção, não é? Ou não foi isso que sentiram?

[Andreia Araújo] Sim, eu diria que sim, é uma coragem consciente. É o escolher partir mesmo tendo completa noção das dificuldades e do que pode correr mal, ainda mais num ano como este que vivemos.

[Fátima Castro] Talvez a coragem não seja a melhor palavra. Diria mais que foi a fé, o amor e os muitos testemunhos que a vida se foi encarregando de colocar no meu caminho, que me ajudaram a tomar esta decisão. Deixar tudo – a família, os amigos, uma vida profissional estável, os inúmeros serviços pastorais que assumia – e entregar-me, exigia apenas de mim duas coisas: vocação e fé. Recordo-me do Papa Francisco, este ano na oração Urbi et Orbi, quando repetia as palavras de Jesus: «Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» Nesta dinâmica da fé, incentivava-nos a convidar “Jesus a subir para o barco da nossa vida” e a confiar-Lhe os nossos medos, “para que Ele os vença." Nesse mesmo dia, o convite foi-Lhe (re)enviado e os medos foram-Lhe entregues. Tudo o resto veio, e virá, como uma dádiva.

[Igreja Viva] Este ano, por causa do confinamento, a grande maioria das pessoas experimentou o que é estar longe – mesmo estando na mesma cidade ou freguesia que a família e amigos – porque não podia sair de casa e as redes sociais, o telemóvel e as videochamadas eram a única forma de manter o contacto. Sentem que isso acabou por ser uma preparação 'involuntária' para a distância que agora vão enfrentar?

[Andreia Araújo] Acho que são distâncias bem diferentes. Aqui as pessoas encontravam-se isoladas mas estavam nas suas casas com o seu conforto. Ao partir, assumimos um completo desprendimento físico e emocional, é estar distante de casa, da família mas também da nossa cultura, da nossa terra e dos nossos costumes. Aqui em isolamento as pessoas poderiam estar afastadas mas mesmo assim encontravam-se geograficamente perto (existia aquele sentimento de que a pessoa está ali perto), enquanto que indo para Moçambique a distancia geográfica é muito maior, e não existe sequer a hipótese de ir ter com as pessoas.

[Fátima Castro] Este foi um tempo muito peculiar. Pedia arte e criatividade nas relações. E nós, cada um à sua maneira, fomos aprendendo a cuidar de nós e dos nossos. Por sua vez, também fomos impelidos a sair ao encontro daqueles que não tinham quem deles cuidassem. Talvez isso me tenha ajudado a perceber que era o momento de ser missionária dentro da minha casa, com a minha família, para depois ser missionária no mundo. Nesse tempo tive a firme certeza de que, quando a vida é feita de amor, o amor vence tudo. Por isso também vence as distâncias!

[Igreja Viva] Pe. Manuel, como é que acha que vai ser a transição para um ambiente pastoral tão diferente da Arquidiocese?

[Pe. Manuel Faria] A transição para outro ambiente pastoral e cultural diferente exige muita capacidade de adaptação e inculturação. O facto de ter realizado algumas experiências de voluntariado missionário em terras africanas, e participado na formação “Salama” do CMAB, vai ajudar a acolher esta missão, com a certeza que é preciso uma grande abertura para aceitar as condições especiais da missão. Não fazemos caminho sozinhos, mas levamos connosco cada um de vós que está unido a nós na oração e a viver esta missão que não é só nossa, mas de todos nós.

[Igreja Viva] Estão à espera de encontrar alguma coisa específico lá, ou de sentir algo em específico, ou isso é uma coisa que não vos ocupa a cabeça antes de partir?

[Pe. Manuel Faria] Espero encontrar uma Igreja fraterna e samaritana, pela oração ver a realidade com os olhos de Deus, e crescer como ser humano, na caridade e na missão pastoral.

[Andreia Araújo] Para mim, que já lá estive, estou a contar sentir um sentimento muito específico, de regresso a casa, pois foi o que senti enquanto estive em Ocua, sentia-me em casa.

[Fátima Castro] Muita coisa me faz pensar mas aceitarei tudo como uma dádiva, um presente. Ao longo deste ano de formação procurei esvaziar-me de muitos conceitos (e preconceitos) para dar unicamente lugar à empatia e à bondade. É importante colocar-me no lugar do outro e compreender que, por trás de cada rosto, há uma história, uma cultura, uma religião, um caminho trilhado. E, para que tal aconteça, o único caminho é estar com eles e, a eles, entregar-me sem restrições.

Entrevista publicada no Suplemento Igreja Viva de 17 de setembro de 2020.

PARTILHAR IMPRIMIR
Documentos para Download
Departamento Arquidiocesano para as Missões
Contactos
Morada

Rua de São Domingos, 94b
4710-435 Braga

Coordenador

Sara Poças

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui