Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
DACS com Agência Ecclesia | 12 Nov 2021
Francisco critica “hipocrisia” de quem culpa os pobres pela pobreza
Num encontro em Assis, o Papa evocou a vida de São Francisco e disse que é hora de devolver aos pobres a palavra e dignidade que merecem.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © AP Photo/Riccardo De Luca

O Papa criticou esta sexta-feira a “hipocrisia” da sociedade que culpabiliza as pessoas pobres pela sua condição. Em Assis para assinalar o V Dia Mundial dos Pobres – celebrado no domingo, dia 14 –, Francisco afirmou que é hora de devolver aos pobres a palavra e dignidade que merecem.

O líder da Igreja Católica explicou que, por vezes, se ouve que os pobres são os responsáveis pela pobreza” e que isso é um insulto” porque, para evitar fazer um sério exame de consciência sobre os próprios actos, sobre a injustiça de algumas leis e medidas económicas e sobre a hipocrisia de quem quer enriquecer excessivamente”, atiram-se as culpas para os ombros dos mais fracos”.

Francisco realçou que é “hora de abrir os olhos para ver o estado de desigualdade em que vivem tantas famílias”, hora de arregaçar as mangas para restaurar a dignidade com a criação de empregos” e hora de voltar a escandalizar-se com a realidade de crianças famintas, escravizadas, sacudidas pelas águas na agonia de naufrágios, vítimas inocentes de todo o tipo de violência”.

O Papa Francisco evocou a vida de São Francisco de Assis, que ensinou a partilhar tudo com os outros, e sublinhou a importância de “acolher” para os católicos, de “abrir a porta, a porta da casa e a porta do coração”, sem “virar a cara para o outro lado”.

Na celebração de “oração e testemunho” que decorreu junto à Porciúncula – uma das igrejas que São Francisco restaurou e que está hoje dentro da Basílica de Santa Maria dos Anjos –, o Papa apontou que a primeira marginalização” que os pobres sofrem é espiritual, pois muitas pessoas e muitos jovens encontram algum tempo para ajudar os pobres e levar-lhes comida e bebidas quentes”, mas que fica feliz acima de tudo” quando sabe que os voluntários param um pouco para conversar com as pessoas, e às vezes rezam juntamente com elas”.

Francisco agradeceu a participação de todos numa iniciativa que nasceu de uma proposta de um homem desfavorecido e pediu que o encontro abra o coração de todos nós para nos colocarmos à disposição uns dos outros, para fazer da nossa fraqueza uma força que nos ajuda a continuar o caminho da vida, para transformar a nossa pobreza numa riqueza a ser partilhada e, assim, melhorar o mundo”.

O encontro de oração e testemunho começou com um “abraço” virtual no átrio da Basílica de Santa Maria dos Anjos, onde o Papa recebeu simbolicamente o manto e o cajado do Peregrino. O cajado foi entregue por Abrhaley, refugiado eritreu invisual, que chegou à Itália em 2018 graças à criação dos corredores humanitários.

Vários representantes do grupo de pessoas pobres e de quem trabalha junto delas apresentaram testemunhos, visivelmente emocionados, e Francisco agradeceu a “coragem e sinceridade” de todos os que falaram, elogiando a “esperança” e a capacidade de “resistir” diante das dificuldades.

Este domingo, no V Dia Mundial dos Pobres, Francisco preside à missa na Basílica de São Pedro – pelas 11 horas portuguesas – com a participação de 2 mil pessoas acompanhadas por diversas associações no território de Roma.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Departamento Arquidiocesano para a Comunicação Social
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190