Arquidiocese

Fórum Vocacional
Inscrições abertas
(+info)

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
DACS | 13 Jul 2017
“Estar presente e atento, com o apego na medida certa”: propostas para os Conselhos Económicos
Os conselhos económicos da Arquidiocese reuniram-se no âmbito das bodas de ouro sacerdotais do Arcebispo Primaz.
PARTILHAR IMPRIMIR


 

Os conselhos económicos da Arquidiocese reuniram-se na Cripta do Sameiro na passada Terça-feira, no âmbito das celebrações das bodas de ouro sacerdotais do Arcebispo Primaz. Durante o encontro, o Pe. Hermenegildo Faria falou sobre “a caridade e uso dos bens” numa perspectiva bíblica, ficando a abordagem dos aspectos práticos a cargo do cónego José Paulo Abreu. D. Jorge Ortiga, também presente, destacou a importância de se cuidar dos bens da paróquia, tarefa que considera “responsabilidade de todos”.

Dirigindo-se aos membros dos conselhos económicos presentes, Jorge Ortiga sublinhou a importância do seu trabalho para as paróquias. O Arcebispo agradeceu o trabalho destes agentes e pediu que se sintam responsáveis pelos bens da paróquia, cujo cuidado diz respeito a todos.

Para o Arcebispo Primaz, é fundamental que os conselhos económicos estejam presentes e atentos às necessidades da paróquia, “saberem o que faz falta à comunidade” e dialogarem, para assim intervirem sempre que necessário.

“Cuidar, preservar, conservar, nunca adulterar nem destruir” o património foram os pedidos que o cónego José Paulo Abreu deixou aos presentes, lembrando que as obras e restaurações “mal feitas” acabam por deteriorar ainda mais o património. “Há muita coisa por aí que não dignifica a tradição da Igreja”, advertiu. 

Sempre que for necessário intervir, alertou o cónego, é fundamental consultar opiniões especializadas na matéria. O orador lembrou que existem técnicos da diocese que avaliam, não apenas do ponto de vista técnico mas também da História da Igreja e da Liturgia, a necessidade e tipo de intervenção.

A instituição de um Fundo Paroquial em relação estreita com a contabilidade da paróquia, e sob a administração do conselho paroquial, é também algo que D. Jorge Ortiga considera de grande importância, pedindo a todos que coloquem esta recomendação na prática.

O Arcebispo ressalvou ainda a importância de existir uma “contabilidade minimamente organizada”, apontando soluções que vão desde um simples livro que registe as entradas e saídas de dinheiro até aos diversos programas que há no mercado, para que impere a transparência. 

O cónego José Paulo Abreu recordou a necessidade de conservação dos arquivos, bem como dos objectos e têxteis presentes nas paróquias, fundamentais para a preservação da memória da Igreja. Os “museus/armazéns”, onde as peças são expostas com as condições de luz, calor e humidade menos adequadas são aspectos que também mereceram uma chamada de atenção por parte do orador.

O conselho que o Arcebispo deixou, por último, à plateia, e que se estende aos restantes grupos de trabalho, movimentos ou instituições, passa por seguir à risca aquilo que está definido nos respectivos estatutos. “Assim poderão exercer as suas funções de um modo perfeito”, concluiu.

 

Uma perspectiva bíblica

A abordagem do Pe. Hermenegildo Faria baseou-se na “perspectiva bíblica sobre a caridade e o uso dos bens”. O orador definiu a “Igreja caminhante” e a “Igreja que se instala”, sublinhando a importância de existir um equilíbrio entre ambas: a “Igreja que vai ao encontro” e a “Igreja que constrói”.

O sacerdote recordou que a Igreja “nasce de um «ide»”, que implica itinerância, caminho, e lembrou, assim, que o cristão é um peregrino, “vai com um sentido, com uma missão”.

Esta Igreja itinerante, explicou, deve ser “leve, desprendida, levar apenas o necessário, caso contrário não pode andar”. Contudo, os nómadas da “Igreja caminhante” correm o risco de se tornarem “predadores em vez de anunciadores do evangelho” e de não se apagarem a nada.

Ainda que sendo uma “Igreja caminhante”, ressalvou o Pe. Hermenegildo, deverá ser uma “Igreja que se instala, que se constrói em Igrejas locais”, pois só assim poderá gerar “filhos da fé”.

A “Igreja que se instala” conduz ao cuidar da casa e à construção de uma “casa acolhedora”, argumentou o sacerdote. “É importante que as pessoas sintam que quem lá está gosta de lá estar”, acrescentou.

O Pe. Hermenegildo alertou, no entanto, para um dos perigos da “Igreja que se instala”: a “doença da pedra”, que atinge aqueles que se acomodam excessivamente assumindo que “a terra será sua para sempre”. Para não incorrer neste erro, a Igreja não se pode esquecer que é peregrina e procurar apegar-se “apenas ao Evangelho e à sua missão”. 

Assim, concluiu o sacerdote, a gestão dos bens da Igreja, deverá ser feita com base nesta ideia de uma Igreja que se instala e constrói, sem apego exagerado. 

O encontro realizou-se a propósito das celebrações das bodas de ouro sacerdotais do Arcebispo Primaz, que contemplam iniciativas direccionadas para os diferentes grupos da Arquidiocese. Cada uma das reuniões tem por base o tema das comemorações: “No ouro do sacerdócio, a renovação da Arquidiocese”.

Na página do facebook da Arquidiocese estão disponíveis os vídeos na íntegra de todos os encontros realizados neste âmbito.

 

 

PARTILHAR IMPRIMIR
Departamento de Comunicação
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 BRAGA

TEL

253 203 180

FAX

253 203 190